quarta-feira, 28 de março de 2012

Tracking tweets proves profitable for Derwent Capital

A hedge fund that uses Twitter data to drive its trading strategy returned 1.85% in its first month of trading, according to an investor in the fund, in the first sign that social media data can be used successfully to enhance electronic trading techniques.
Tracking tweets proves profitable for Derwent Capital
Derwent Capital, which finished its first month of trading at the end of July, beat the S&P 500 which fell 2.2% in July, while the average hedge fund made 0.76%, according to Hedge Fund Research.
The fund, which declined to comment, uses sentiment data mined from millions of Twitter messages, or ‘tweets’, to predict market movements. The strategy is based on research published by the University of Manchester and Indiana University in October which demonstrated that the number of emotional words on Twitter could be used to predict daily moves in the Dow Jones Industrial Average.
Derwent Capital scans a selected 10% of available tweets at random and will then categorise these messages into one of a range of mood states, which could include 'alert', 'vital' or 'happy' from which the firm's technology will make predictions about potential stock movements. The initial research showed that the algorithm predicted movements in liquid stocks with 88% accuracy.
Although it is early days for the fund, July's performance provides the first indication that the unstructured data provided by Twitter can be successfully used to feed trading algorithms. The results may go some way to convincing sceptics who have argued that the five-year old Twitter's relative youth and its unstructured, unedited nature, makes its data unreliable as a sentiment tool.
Speaking to Financial News in early March, however, Paul Hawtin, founder of Derwent Capital, said he was “very confident” about the strategy. He said: “We watch to see how each of the different mood states changes in real time. The biggest sentiment change is reflected in the market around two to four days later.” He added that it is the unprecedented global nature of Twitter that defines its use as a sentiment tool.
The Twitter service allows users to push out messages or 'tweets' of 140 characters or fewer to a base of subscribers -- known as 'followers' -- who are then able to respond through their own Twitter account. The messages appear as a real-time list of rolling messages on the user's Twitter profile page. To date, the service has more than 200 million users.

Hedge Fund Will Track Twitter to Predict Stock Moves

Derwent Capital Markets, a family- owned hedge fund, will offer investors the chance to use Twitter Inc. posts to gauge the mood of the stockmarket, said co-owner Paul Hawtin.
The Derwent Absolute Return Fund Ltd., set to start trading in February with an initial 25 million pounds ($39 million) under management, will follow posts on the social-networking website. A trading model will highlight when the number of times words on Twitter such as “calm” rise above or below average.
A paper published in October said the number of emotional words on Twitter could be used to predict daily moves in the Dow Jones Industrial Average. Photographer: Chris Ratcliffe/Bloomberg
Oct. 20 (Bloomberg) -- Johan Bollen, an associate professor of informatics and computing at Indiana University, talks with Bloomberg's Lisa Murphy about his research into sentiment on Twitter Inc.'s social-networking site and how that correlates to stock market performance. (Source: Bloomberg)
paper by the University of Manchester and Indiana University published in October said the number of emotional words on Twitter could be used to predict daily moves in the Dow Jones Industrial Average. A change in emotions expressed online would be followed between two and six days later by a move in the index, the researchers said, and this information let them predict its movements with 87.6 percent accuracy.
“Sentiment and mood dramatically change the impact of positive and negative news stories,” said Hawtin in a telephone interview. “If the market’s in a very positive and bullish mood, it can shrug off bad news -- bad news comes out and you expect the Dow to fall, and it doesn’t.”
Twitter now has 175 million users and sees 95 million posts per day, according to its website. That has risen from 50 million per day as of February, and researchers are finding new uses for this rapidly growing source of real-time data.

Trading Models

Derwent Capital Markets, based in London’s West End, signed an exclusive deal this month with Xiao-Jun Zeng, a doctor of computer science at the University of Manchester, to develop the research into trading models. Derwent will also meet with associate professor Johan Bollen and colleague Huina Mao of Indiana University this week to discuss the possibility of them working on the new fund, Hawtin said.
The fund will use algorithms based on the data extracted from Twitter posts and other factors to trade the FTSE 100, FTSE 250 and Dow Jones Industrial Average indexes as well as oil, gold and other precious metals and currencies.
Zeng, Bollen and Mao’s research measured the public mood by searching Twitter posts from February to December 2008 for synonyms of and language related to six moods: calm, alert, sure, vital, kind and happy. The researchers then matched the time and date of these posts to closing prices of the Dow Jones Industrial Average to test their hypothesis that changes in the sentiments expressed online could predict future index values.

Calm Mood

Their results showed that rises and falls in the number of instances of words related to a calm mood could be used to predict the same moves in the Dow’s closing price between two and six days later, with a fall in these “calm” words being followed by a fall in the index. The other moods did not have the same predictive quality, the paper said.
A chart in the researchers’ paper shows instances of “calm” words on Twitter and daily moves in the Dow’s closing price. The two lines closely follow each other’s movements, with rises and falls in the Dow lagging a few days behind the same movements in the Twitter numbers.
Derwent expects an annual return on investment of between 15 percent and 20 percent on the new fund, Hawtin said, adding that 1.5 million pounds of the initial stake will be the managers’ own money.
“The only risk for us is if Twitter falls away and people just don’t use it any more,” Hawtin said. “But we believe that it can only get bigger and better, and that more and more people will be using it to express their feelings.”
Sixty-six percent of online Americans now use social- networking websites, according to a Jun. 10 report by Experian Information Systems Inc. Facebook Inc.’s website was the most visited in the world last week with 10.1 percent of all internet page views, Experian said on its website.
To contact the reporter on this story: Jack Jordan in London at jjordan22@bloomberg.net
To contact the editor responsible for this story: Colin Keatinge at ckeatinge@bloomberg.net

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Na era do iPad, Quanta luta para lucrar

A boa notícia para Barry Lam: sua empresa Quanta Computer, sediada em Taiwan, é a maior fabricante terceirizada de laptops. Ela produz aparelhos para Hewlett-Packard, Lenovo, Sony e outras grandes marcas. A má notícia: ele ainda depende da área dos laptops. O problema, em poucas palavras, são os tablets. O sucesso estrondoso do iPad da Apple desencadeou o aparecimento de uma grande quantidade de aparelhos concorrentes que corroeram as vendas dos PCs, segundo a empresa de pesquisa IDC. Lam, que fundou a Quanta em 1988, desqualifica a maioria dos tablets, que considera imitações do iPad. "Nós só trabalhamos com clientes que têm um modelo de negócios exclusivo", diz ele.
A grande aposta de Lam no mercado de tablets é o Kindle Fire, da Amazon.com, que foi lançado na segunda-feira, por US$ 199. A Quanta está fabricando o aparelho e deverá entregar ao menos 5 milhões deles no último trimestre de 2011, segundo o analista Steven Tseng, da Samsung Securities. Lam não quis comentar sobre seu relacionamento com a Amazon devido a acordos de confidencialidade. "Pelo que você leu sobre o Kindle Fire na imprensa", diz ele, "o modelo de negócios é muito eficiente". A Quanta também fabrica o PlayBook para a Research In Motion (RIM), diz Tseng.
A fabricação de tablets poderá se revelar um negócio de maiores margens para a Quanta do que a de laptops. Nesse setor, onde há muito pouco que diferencie um laptop da HP de um da Dell ou da Lenovo, os clientes da Quanta se concentraram ao máximo em extrair as menores frações de lucros das empresas que lhes prestam serviços. Essa pressão sobre as margens tornou decisivo para a Quanta produzir o maior volume possível de aparelhos. "Tudo girava em torno dos volumes", diz Tseng. "No passado, não havia problema em ser espremido, porque os volumes cresciam. Mas não crescem mais."
Gigante na produção de computadores portáteis, Quanta aposta nos tablets que custarão US$ 199
A Amazon não está tentando ganhar muito dinheiro com o aparelho. Seu principal executivo, Jeff Bezos, calcula que seu tablet, que tem uma tela de 7 polegadas, será um aparelho de compras de mão que estimulará os consumidores a comprar mais música, blusões e tudo o mais da Amazon. A visão de Bezos tira parte da pressão dos ombros da Quanta, diz Alberto Moel, analista-sênior de Hong Kong da Sanford C. Bernstein. Se você é Barry Lam, "os caras dos PCs vêm para cima de você como um enxame", diz ele. "Cada dólar que extraem da Quanta é um dólar a mais nos seus lucros. No caso da Amazon, o estímulo para obter o preço mais enxuto não é tão alto porque ela pode ganhar seu dinheiro de outras maneiras." Moel estima que a Quanta tenha uma margem de lucros bruta de 4,6% sobre o Kindle Fire, comparada a 3,2% com laptops. "Isso pode ser um bom impulsionador dos lucros para a Quanta", diz Moel. A Bernstein prevê que os lucros crescerão 21% este ano, para US$ 765 milhões, sobre US$ 37 bilhões em vendas.
Há limites aos benefícios que o novo tablet da Amazon pode trazer para a Quanta, no entanto. A Amazon já está se preparando para mais um modelo do Kindle Fire, desta vez com uma tela de 10 polegadas, mas esse negócio será destinado à Foxconn, concorrente da Quanta, segundo a Samsung Securities e a Bernstein. Para a Quanta, a receita anual gerada pelo tablet da Amazon poderá alcançar até US$ 2 bilhões até 2015, segundo Moel, da Bernstein. Isso não representará, no entanto, mais do que 8% da receita da Quanta.
Daí a necessidade, para Lam, de estudar suas alternativas. Ele fala entusiasmado da computação na nuvem e se apressou, mais do que outras fabricantes de Taiwan, em atender à crescente demanda por servidores e aparelhos de armazenagem de clientes como Amazon, Facebook e Google. No passado, as empresas compravam seus servidores de marcas de maior destaque, como a Dell ou a HP, mas Lam argumenta que elas podem ter o mesmo resultado ao adquirir servidores de preço mais baixo da Quanta. Esses clientes "não se importam com a marca, não precisam da assistência técnica pós-venda e não querem despesa com equipe de vendas", diz Lam. Com os servidores, a Quanta contabiliza margens brutas de mais de 10%.
Mesmo assim, a empresa provavelmente não fabricará enormes volumes de tablets ou de servidores sem marca como no caso de laptops. Isso está empurrando Lam de volta para os braços de seu primeiro amor. Ele tem esperanças de que os ultrabooks - uma nova categoria de laptops superdelgados, que visam se assemelhar ao fino MacBook Air da Apple - terão grande sucesso junto aos consumidores. Grandes fabricantes de PCs, como a Acer, lançarão no mercado seus primeiros ultrabooks este ano e pretendem estrear muitos mais no ano que vem. Apesar da ascensão do iPad e de suas muitas imitações, Lam recusa insinuações de que a era do laptop tenha acabado. "Não, não. Ainda temos uma demanda muito sólida", afirma ele. "O laptop é um instrumento de trabalho. O tablet nada mais é do que uma tela para exibição de conteúdo." (Tradução de Rachel Warszawski)
Fonte: Valor

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Google entra em turismo on-line para diversificar receita

O Google acaba de lançar no mercado americano serviços voltados para a área de turismo, como parte da sua estratégia para reduzir a sua dependência em relação à publicidade on-line. Em visita ao Brasil, Alex Diaz, gerente global de produtos do Google, reúne-se hoje com empresários brasileiros em busca de parceiros para desenvolver a versão local das ferramentas (serviços) "o mais rápido possível".
"Não são ferramentas que dependem exclusivamente da tecnologia de que dispomos, mas de parceiros", afirma Diaz. Antes dessa apresentação em grande escala, o Google já havia fechado parceria com os sites Decolar.com e Submarino Viagens, com a empresa de turismo CVC e o grupo hoteleiro Marriott.
Os sistemas de busca de hotéis (Google Hostel Finder) e de voos (Google Flights) foram desenvolvidos com tecnologia da americana ITA Software, comprada pelo Google adquiriu há cinco meses, por US$ 700 milhões. A ITA tinha um software de algoritmo para pesquisa de passagens aéreas por data, faixa de preço e trechos, entre outras opções.
"Combinamos os algoritmos com a interface mais amigável do Google e nossa capacidade de pesquisa rápida", afirma o executivo. A ferramenta de busca de voos possibilita ao usuário interessado em viajar várias opções para pesquisa de passagens. E também oferece uma opção de reserva de voo no próprio site do Google, no caso das companhias aéreas que fecharam parceria com a gigante de internet. Essas companhias pagam uma taxa por voo reservado. No caso das demais empresas, fica disponível o link de acesso para suas respectivas páginas.
O sistema de busca de hotéis foi desenvolvido seguindo os mesmos padrões do serviço de busca de voos. Thiago Machado, diretor de negócios para turismo do Google no Brasil, aponta como diferencial a visualização dos resultados em uma só página. De acordo com pesquisas baseadas nas buscas de usuários feitas no Google, os viajantes acessam, em média, 20 sites diferentes para tomar suas decisões de viagem. "A ideia é tornar mais fácil a vida do internauta comum e de pequenas agências de turismo", afirma.
O Google não informa a previsão de receita com o serviço de turismo. Diaz observa que o turismo movimenta US$ 150 bilhões ao ano no mundo e cresce a uma taxa média de 8%. A companhia já se beneficiava desse mercado, com a venda de links patrocinados. Entre 2005 e 2010, o volume de anúncios turísticos cresceu 18 vezes, diz Machado.
Mas, competir na oferta de serviços como o de reservas de passagens será um pouco mais complicado do que oferecer links patrocinados - segmento que o Google lidera com segurança. A companhia vai enfrentar competidores já consolidados no mercado, como Kayak, TripAdvisor, Bing Travel, Expedia e Orbitz.
Diaz, no entanto, está confiante de que o Google pode atingir uma participação significativa de mercado, sobretudo com o lançamento de outros serviços já em desenvolvimento. Entre eles estão estudos sobre tendências de consumo para agências de turismo e aplicativos para smartphones.
A empreitada pode ajudar o Google a reduzir sua dependência de anúncios. No primeiro semestre fiscal, 97% da receita da companhia veio da publicidade, ante 96% no mesmo intervalo de 2010. O restante foi obtido com serviços relacionados à publicidade, licenciamento de produtos, serviços de pesquisa e outras tecnologias - como oferta de sistemas operacionais e de softwares para uso empresarial na nuvem.
Dos US$ 17,022 bilhões de receita obtidos no semestre, US$ 12,111 bilhões vieram da publicidade nos sites do Google. Outros US$ 4,911 bilhões foram obtidos com a venda de espaço publicitário em sites da rede do Google (como Orkut e YouTube) e o restante - US$ 580 milhões - foi alcançado com os demais produtos e serviços.
Fonte: Valor

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O que o Google vai fazer com o Zagat?

São Paulo — “Haikai para anunciar uma aquisição: Delicioso negócio fechado. Zagat e Google agora são um. Gourmets vão se divertir mais”. Foi nesse tom lúdico que Marissa Mayer, vice-presidente de serviços de localização e mapas do Google, anunciou a compra da empresa de avaliação de restaurantes Zagat no Twitter
Zagat cobre centenas de cidades em 25 países na América do Norte, na Europa e na Ásia. O site lista mais de 30 mil avaliações de locais. Seu prato principal é a classificação de restaurantes feita por voluntários. São 350 mil colaboradores, segundo a empresa, enquanto ela própria tem uma equipe de cerca de cem funcionários. Mas é um site de acesso pago, algo que não combina muito bem com o modelo de negócios do Google, em que a base são os serviços gratuitos custeados por publicidade.
Num post publicado hoje no blog oficial da empresa, Marissa Mayer observa que o Zagat foi pioneiro no uso de conteúdo gerado pelo usuário antes mesmo de a internet existir. Ela também diz que os livrinhos de bolso publicados pela empresa já eram conteúdo móvel antes de haver smartphones. “Estou excitada por levar o poder dos serviços de busca e mapas do Google aos produtos do Zagat; e trazer as inovações, a reputação confiável e a riqueza de experiências dos usuários deles”, escreveu ela. 
O Google deixa claro que seu objetivo é reforçar sua presença na área de serviços de informações locais, atraindo anúncios de empresas que atuam em cidades específicas. O texto de  Marissa Mayer dá a entender que haverá algum tipo de integração entre o Zagat e o serviço Google Places, que tem finalidade similar. A dúvida óbvia é se o Google vai manter o esquema atual de acesso pago ou vai começar a liberar mais informação do Zagat gratuitamente.
No início, era um hobby
O Zagat começou em 1979 como um hobby do casal Tim e Nina Zagat. Os dois colecionaram opiniões de amigos sobre restaurantes de Nova York e reuniram tudo num livro em 1982. Com o tempo, passaram a produzir livros sobre outras cidades, geralmente em formato de bolso. Mais recentemente, criaram o serviço pago na web e aplicativos para smartphones e tablets. 

No Zagat, cada restaurante recebe notas de 1 a 30 em três quesitos: comida, decoração e serviço. Um preço médio por pessoa também é informado. Além disso, é possível ler comentários de clientes e, em alguns casos, ver o cardápio com os preços e fotos do local. O acesso às avaliações custa 24,95 dólares por ano ou 4,95 dólares por mês. O site também publica listas dos melhores restaurantes em várias categorias.
Além de restaurantes, o Zagat oferece classificações de outras coisas, incluindo campos de golfe, hotéis e companhias aéreas. Outro negócio da empresa é a loja de vinhos ZagatWine, que funciona como uma espécie de clube. Os sócios pagam uma taxa trimestral e recebem vinhos escolhidos pela empresa. Outra loja online, a Zagat Store, vende 45 guias em papel, além de livros sobre culinária e outros temas.
Zagat x Yelp
Um dos principais concorrentes do Zagat é o Yelp. Diferentemente do Zagat, o Yelp é um empreendimento que já nasceu na web (em 2004) e tem acesso gratuito. O site cobre mais de uma centena de cidades nos Estados Unidos, no Canadá e em sete países da Europa. O Yelp diz que já tem mais de 20 milhões de críticas escritas por usuários e registrou 53 milhões de visitantes únicos em junho deste ano.
Seu espectro de avaliações é muito mais amplo. Só um quarto das classificações publicadas são de restaurantes. O restante se divide entre atrações turísticas, serviços de saúde e beleza, escolas, hotéis e até igrejas. As notas vão de 1 a 5. Como o Zagat, o Yelp usa mapas do Google para indicar a localização dos estabelecimentos. Um terço das buscas feitas no site vêm de dispositivos móveis. Além de uma versão amigável a smartphones, ele tem aplicativos para os principais dispositivos.
Ofertas no site da Zagat, em setembro de 2011
O Zagat dá notas de 1 a 30 para os restaurantes
Sites desse tipo, que se baseiam em avaliações de usuários – o TripAdvisor é outro exemplo conhecido – estão sempre sujeitos a algum tipo de manipulação. Algumas empresas contratam pessoas para publicar análises positivas de seus estabelecimentos. Já os usuários genuínos tendem a se sentir mais encorajados a dar sua opinião quando estão insatisfeitos. Isso explica por que alguns hotéis listados no TripAdvisor, por exemplo, têm um grande número de avaliações muito positivas e muito negativas, e poucas medianas. 
Essa talvez seja uma das principais razões por que o Google se interessou pelo Zagat. A empresa tem excelente reputação nos Estados Unidos e parece ter encontrado uma boa maneira de processar as avaliações de usuários de modo que a nota final seja confiável. Contar com esse conteúdo é uma maneira de o Google se destacar dos outros serviços que também publicam críticas de usuários.

Aprenda com (ou como) Warren Buffett

A educação financeira deve começar cedo e se manter ao longo da vida. Analisar a vida de Warren Buffett, legendário fundador da Berkshire Hathaway, é um exercício interessante para compreender como esse hábito pode influenciar a trajetória de alguém.

Buffett, terceiro homem mais rico do mundo, veio de uma família de alguma posse. Seu pai, que foi eleito senador, tinha uma corretora de títulos mobiliários. Aos seis anos de idade, Buffett descobria sua veia empreendedora ao arrematar um lote de seis latas de refrigerante por 25 centavos e revender cada uma por 5 centavos de porta em porta. Mais tarde, se dedicou a ler livros e revistas sobre investimentos. Aos dez anos, numa viagem a Nova York com a família, insistiu em conhecer a bolsa. Um ano depois, adquiriu sua primeira ação. Na biblioteca de sua cidade, Omaha, no Nebraska, aprendeu o conceito de juros compostos e anunciou aos amigos que seria milionário antes dos 35 anos.

Formou-se aos 19 anos em administração pela Universidade de Nebraska e começou a trabalhar como corretor de ações na empresa do pai. Como o próprio Buffett disse, ele analisava gráficos e aplicava cálculos, mas a experiência era frustrante, porque ele não enxergava um método naquilo.

Em 1950, descobriu o livro que causaria uma revolução em sua educação financeira, “The Inteligent Investor”, de Benjamin Graham. Era algo que apelava aos princípios mais caros a Buffett: racionalidade e conservadorismo. Ele chama a obra de “o melhor livro sobre investimentos já escrito”. Vai além, ao afirmar que o conceito de margem de segurança, descrito pelo autor, é fundamental para qualquer investidor. Para Buffett, a ideia é investir em uma fração de uma empresa cujo negócio o investidor conheça muito bem, com razoável estabilidade e previsibilidade de geração de caixa. E fazê-lo a um preço baixo a ponto de, mesmo diante de eventuais erros de avaliação, alta volatilidade ou baixa liquidez, garantir margem de segurança ao investimento.

O intelecto de Buffett, turbinado pelas lições de Graham e por características pessoais marcantes, como ambição, determinação e disposição para pensar diferente da “manada”, já seria suficiente para torná-lo um grande investidor.

Mas a vocação de Buffett tornou-se ainda mais evidente quando ele conheceu, em 1959, o investidor Charlie Munger, com quem passou a ter conversas diárias. Munger sugeriu que ele lesse “Common Stocks and Uncommon Profits”, de Philip Fisher, outra obra importante na formação de Buffett, ao acrescentar a preocupação com a qualidade do negócio ao método quantitativo de Graham.

Munger diz que uma característica essencial de Buffett é que ele é “uma máquina de aprender”. Acreditar que já sabe tudo não parece fazer parte de seu “sistema operacional”. Por conta disso, a educação financeira do mago das finanças é uma espécie de obra em construção. Ele não se contenta apenas em aprender – também ensina. Desde o começo de sua carreira como gestor de recursos, Buffett nunca economizou tempo para explicar sua forma de pensar e agir.
Suas cartas aos investidores são lendárias e constituem, por si só, grandes lições de educação financeira. Mais ainda: o investidor dá atenção especial aos estudantes e costuma receber delegações de universidades – inclusive do Brasil – para sessões informais de perguntas e respostas. Se Graham foi um mestre generoso para Buffett, hoje Buffett o é para milhares de pessoas. Nas reuniões da Berkshire, ele e Munger, mesmo aos 80 e 87 anos de idade, respectivamente, recebem mais de 30 mil pessoas e passam o dia inteiro às voltas com as mais diversas indagações.
É evidente que não é fácil replicar o sucesso de Warren Buffett. Seu êxito profissional não se deve apenas a uma educação financeira primorosa. Ele também se conjuga com talento único, humildade, curiosidade e habilidade interpessoal. Não bastasse tudo isso, Buffett nasceu numa nação pródiga em oportunidades. Num país em crescimento como o Brasil, com um mercado em pleno processo de amadurecimento, que melhor exemplo do que Buffett para ajudar a entender melhor o mundo das probabilidades e possibilidades que nos cerca?

*Gustavo Ballvé é analista da Investidor Profissional, já esteve na assembleia da Berkshire Hathaway três vezes e há dez anos estuda a vida e a obra de Warren Buffett

As estratégias de Warren Buffett

O cineasta Walter Salles, ao comentar “Diários de Motocicleta” – filme sobre a juventude do guerrilheiro Che Guevara –, disse que o público se identifica com uma história quando o mito se parece com o cidadão comum. A princípio, as estratégias de investimento de Warren Buffett estariam ao alcance de todos. Talvez isso, combinado com o excelente retorno de seu portfólio, ajude a explicar o fascínio pelo investidor americano. Mas quais são suas estratégias? Sua tática é universal? Funciona no Brasil?
Recente artigo de Gustavo Ballvé, publicado na edição de agosto da revistaValorInveste, teve bastante repercussão.  Foi um dos mais lidos no portal do Valor. Como o artigo enfocou mais na biografia de Buffett, trato neste espaço de algumas características de seus investimentos, suas estratégias.
Observando seus investimentos, percebe-se que Buffett avalia alguns pontos antes de comprar uma companhia como: (i) elevado potencial de valorização do ativo comparando-se seu valor de mercado ao valor econômico ou justo; (ii) administração transparente e comprometida com o negócio e (iii) atividades econômicas simples e compreensíveis. Essa última estratégia é considerada a responsável por mantê-lo afastado dos investimentos em tecnologia do início da década de 2000, o que acabou sendo benéfico com o estouro da bolha da internet.
Recentemente, com a queda das ações do setor financeiro, Buffett anunciou  a aquisição de ações do Bank of America. Esse pequeno investimento corrobora suas máximas. Com a desvalorização das ações, segundo seu entendimento, os papéis teriam ficado atrativos comparando a cotação em bolsa com o preço que considera justo. Em seu discurso, ele ressalta a qualidade da administração. E, por fim, apesar das recentes inovações financeiras, a atividade bancária, em especial a focada no varejo, continua sendo um negócio tradicional.
Buffett tenta entrar em companhias quando essas estão passando por problemas temporários, mas cujos fundamentos de longo prazo se mantêm intactos. Se ele estivesse no Brasil, não estaria comprando as depreciadas ações de Itaú e Bradesco?
A estratégia adotada por Buffett não é a recomendada pelos livros textos de finançasEle não gosta de diversificar seus investimentos, contrariando a teoria do portfólio de Markowitz, que diz que a diversificação de uma carteira é benéfica para melhorar a relação risco-retorno.
Mais, o investidor adota uma estratégia de longo prazo para suas aplicações. Compra e mantém o ativo. Coitada da corretora que presta serviço para ele! Seu investimento mais longevo – a “holding” Berkshire Hathaway – foi adquirido no início da década de 60. Como comentei no post “A importância dos resultados trimestrais”, não acho que os gestores brasileiros de ações, em regra, tenham uma estratégia de longo prazo. Algumas razões explicam essa postura: a alta inflação em anos anteriores, a competitiva taxa de juros e o ainda púbere mercado acionário brasileiro.
Buffett também não olha os índices de mercado, como o Ibovespa ou o IbrX no caso brasileiro. Segundo ele, gestores que ficam observando os índices evitam riscos ecom isso, perdem rentabilidade.
Outra característica interessante. Ele não gosta de teses de investimento cujo crescimento de uma companhia é baseado em aquisições. Comentamos essa estratégia no post “A polêmica de uma carta de gestão - parte II”. Ele prefere que os lucros sejam distribuídos aos acionistas por intermédio de dividendos ou da recompra de ações pela própria companhia.
A partir de 2004, várias companhias abertas têm adotado a estratégia de crescimento baseada em aquisições, entre elas Dasa, Hypermarcas, Anhanguera Educacional, Brasil Brokers, Brasil Insurance. Segundo Buffett, quando uma companhia gera caixa excedente, ela deve investir o necessário e a diferença deve ser retornada ao acionista. Ele considera que o uso do caixa é um bom teste para o administrador. Muitas vezes, na ânsia de expandir sua atuação, acaba fazendo aquisições que não trazem retorno.
Existem muitas frases marcantes de Buffett tiradas de entrevistas ou relatórios de investimento. Seguem algumas:
Sobre investimentos: “Regra número 1: nunca perca dinheiro. Regra número 2: nunca esqueça a regra número 1”. “Se princípios tornaram-se ultrapassados, eles não eram princípios”.
Sobre a diversificação da carteira: “Diversificação é a proteção contra a ignorância. Faz muito pouco sentido para aqueles que sabem o que fazem”.
Sobre sua estratégia de investimento: “Ações são simples. Tudo que você tem que fazer é comprar ações de um grande negócio por menos do que ele vale, com administradores com reputação ilibada e capacidade”.
Sobre inflação: “Aplico em ações mesmo em tempos de alta inflação. Parte por hábito e parte porque ações significam negócios e administrar negócios é mais interessante do que ter ouro ou terras. Além disso, ações são provavelmente ainda a melhor opção entre todas as alternativas numa era de inflação”.
Sobre a teoria do mercado eficiente: Essa teoria prega que os preços das ações já refletem as informações disponíveis, logo seria impossível um investidor superar a média de mercado. “Eu seria um mendigo de rua com uma lata se o mercado fosse sempre eficiente”.
Sobre investimento de longo prazo: “Eu compro ações assumindo que o mercado pudesse fechar no dia seguinte e não reabrisse pelos próximos cinco anos”. “O futuro nunca é claro; você paga um preço alto pela ação quando há consenso. A incerteza geralmente é o amigo do comprador de ações de longo prazo”.
Sobre administração: “Você deve investir em negócios que mesmo um tolo pode administrar, porque um dia algum tolo estará no comando”.
A bibliografia sobre Warren Buffett é vasta. A biografia mais conhecida é “A Bola de Neve”, de Alice Schroeder. Entre os livros citados como importantes para a formação de Buffett, destacam-se: “O Investidor Inteligente”, de Benjamin Graham, e “Common Stocks and Uncommon Profits”, de Philip Fischer.
Este post foi baseado em outras duas obras de estudiosos do investidor. O primeiro é “Warrem Buffett – Estratégias de Investimento do Maior Investidor do Mundo”, de Robert Hagstrom  Jr., e “Warren Buffett Speaks – Wit and Wisdom from the World’s Gratest Investor”, de Janet Lowe.
Até o próximo post. Valeu.